Estudo: Ser igreja | Lição 4: A unidade da igreja

Aula 1 – A ORAÇÃO SACERDOTAL DE JESUS – JOÃO 17
Aula 2 – O pecado individual

A ORAÇÃO SACERDOTAL DE JESUS – JOÃO 17

Esta é uma das orações finais de Cristo, já bem próximo ao momento em que consumaria a obra de salvação, planejada antes do início do mundo. Em breve Ele passaria pela morte e ressurreição, que trouxe salvação aos pecadores. A oração é carregada de muito amor e cuidado com os crentes, e o que desejamos destacar nesta lição é o seguinte pedido do Senhor ao Pai:

Não peço somente por estes, mas também por aqueles que vierem a crer em mim, por meio da palavra que eles falarem, a fim de que todos sejam um. E como tu, ó Pai, estás em mim e eu em ti, também eles estejam em nós, para que o mundo creia que tu me enviaste. Eu lhes transmiti a glória que me deste, para que sejam um, como nós o somos; eu neles, e tu em mim, a fim de que sejam aperfeiçoados na unidade, para que o mundo conheça que tu me enviaste e os amaste, como também amaste a mim.

João 17.20-23

Na mente de Jesus, a igreja deve andar unida, e não desunida, para a glória dEle mesmo e cumprimento dos Seus propósitos, como, por exemplo, testemunho para o mundo. A ideia é que a igreja espelhe a união do Pai e do Filho, estando os cristãos em Cristo para que isso seja possível. Para o mundo a nossa união é sinal concreta da vinda do Salvador e do amor divino. Mas, isso tem sido difícil.

POR QUE A UNIDADE É DIFÍCIL?

Somos indivíduos marcados pelo pecado e estamos rodeados de um mundo egoísta, que impõe essa prática como normativa para os relacionamentos humanos. Ademais, a igreja tem um inimigo declarado, o diabo e seu exército de anjos decaídos.

1 – O pecado individual

O primeiro problema, o pecado individual, precisa ser tratado com o amadurecimento cristão. Estamos falando aqui se seguir ensinamentos do nosso Mestre Jesus, como:

Jesus dizia a todos: — Se alguém quer vir após mim, negue a si mesmo, dia a dia tome a sua cruz e siga-me.

Lucas 9.23, NAA

Isso precisa ser uma realidade na igreja, não somente em função da unidade, mas, para o cumprimento da Missão: “Portanto, vão e façam discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, ensinando-os a guardar todas as coisas que tenho ordenado a vocês. E eis que estou com vocês todos os dias até o fim dos tempos” (Mateus 28.19,20). Ora, o nosso ensino precisa ser em primeiro lugar com o nosso exemplo coletivo.

Precisamente por isso é que a evangelização, com o fim de fazer discípulos, deve ser um transbordar da nossa jornada diária de arrependimento e fé:

E quem não tomar a sua cruz e vier após mim não pode ser meu discípulo

Lucas 14.27, NAA

É nessas horas que muitos crentes correm desta Palavra, se distraem, lembram de tantas outras coisas. É a carne fugindo da cruz. Quando mexe com nossa carne pecadora ficamos agitados. Mas, isso não precisa ser assim:

Porque nisto consiste o amor a Deus: obedecer aos seus mandamentos. E os seus mandamentos não são pesados. O que é nascido de Deus vence o mundo; e esta é a vitória que vence o mundo: a nossa fé.

1 João 5:3,4, NAA

A natureza humana jamais vai vencer a si mesma, pois é corrupta:

…a mentalidade da carne é inimiga de Deus porque não se submete à lei de Deus, nem pode fazê-lo.

Romanos 8:7, NVI

A solução é somente a fé e a espiritualidade, não tem outro meio:

Entretanto, vocês não estão sob o domínio da carne, mas do Espírito, se de fato o Espírito de Deus habita em vocês. E, se alguém não tem o Espírito de Cristo, não pertence a Cristo.

Romanos 8:9

Se estamos em Cristo, como o próprio Senhor falou na oração sacerdotal do início do estudo, então, temos o Espírito dEle, pertencemos a Ele e estamos sob o seu domínio. Precisamente o que precisamos é parar de confiar em nossas próprias forças, estratégias e sabedoria e nos entregarmos completamente aos cuidados do próprio Senhor. Se cada cristão fizer isso, então, teremos a unidade da igreja. Cada um precisa ser servo, sob o comando de um único Senhor, Jesus, o Cabeça da igreja.

2 – O mundo

O segundo obstáculo à unidade da igreja é o mundo, sobretudo por causa da sua influência.

Sabemos que somos de Deus e que o mundo todo está sob o poder do Maligno.

1 João 5:19, NVI

O mundo nada mais é do que a tentação que você eu vamos enfrentar vinda “do lado de fora”. O pecado individual é o pecado do nosso coração e o mundo é a influência externa do pecado do coração dos outros. Além do nosso egoísmo, que atrapalha a unidade da igreja, existe a influência mundana, onde, por exemplo, o individualismo tem crescido exponencialmente. As pessoas estão cada vez mais isoladas e cada um criando sua própria verdade. De fato, é impossível uma sociedade dar certo assim. O problema maior é que este pensamento entrou na igreja e se instalou. Cada um quer uma igreja para si. De onde vem isso?

O sociólogo polonês Zygmunt Bauman, falecido recentemente, em janeiro de 2017, aos 91 anos, dedicou suas mais de 50 obras e diversos artigos a temas que exploram os efeitos do individualismo e da sociedade de consumo nas relações humanas modernas.

Para ele, na época atual, o ritmo incessante das transformações gera angústias e incertezas e dá lugar a uma nova lógica, pautada pelo individualismo e pelo consumo. Ele chama essa condição de “sociedade líquida”, um termo bastante usado hoje para definir o mundo como ele está.

A fim de entender melhor o pensamento do sociólogo, o site Guia do Estudante¹ publicou um artigo sobre o assunto, parte do seu conteúdo atende ao nosso propósito no momento e diz o seguinte:

Para melhor compreender a modernidade líquida, é preciso voltar ao período que a antecedeu, chamado por Bauman de modernidade sólida, que está associada aos conceitos de comunidade e laços de identificação entre as pessoas, que trazem a ideia de perenidade e a sensação de segurança. Na era sólida, os valores se transformavam em ritmo lento e previsível. Assim, tínhamos algumas certezas e a sensação de controle sobre o mundo – sobre a natureza, a tecnologia, a economia, por exemplo.

Isso significa dizer que a modernidade líquida é o período em que a sociedade vive de forma desunida, uns contra os outros, insegura, veloz além da capacidade de assimilarmos, imprevisível, instável, descontrolada – e isso em todas as áreas como natureza, tecnologia, política, economia, família e afins.

Do nosso ponto de vista bíblico, sabemos que essa situação é o avanço dos efeitos do pecado sobre a humanidade, a ação do diabo e a aproximação do final dos tempos, como Deus nos fala em 2 Timóteo 3.1-5:

Mas você precisa saber disto: nos últimos dias sobrevirão tempos difíceis. Pois os seres humanos serão egoístas, avarentos, orgulhosos, arrogantes, blasfemadores, desobedientes aos pais, ingratos, ímpios, sem afeição natural, implacáveis, caluniadores, sem domínio de si, cruéis, inimigos do bem, traidores, atrevidos, convencidos, mais amigos dos prazeres do que amigos de Deus, tendo forma de piedade, mas negando o poder dela. Fique longe também destes. 

2 Timóteo 3.1-5, NAA

Alan G. Nute, comentando as cartas pastorais do Novo Testamento² diz o seguinte sobre a passagem acima:

Nos versículos 2-5, segue uma lista de males que constituem um retrato temível de um mundo que virou as costas para Deus. Em certo sentido, as primeiras duas “egoístas“ e “avarentos“ (amantes do dinheiro) são os pecados-pais dos quais é gerado o restante da infame ninhada […] onde “eu e meu” é o princípio que prevalece.

Agora, percebamos que a sociedade analisada por Bauman é diagnosticada como individualista e voltada para o consumo, ou seja: egoísta avarenta! – onde o norte é o pensamento do “eu e meu” – precisamente o que para Nute gera todo o comportamento insensível que marca as relações modernas e o restante de toda a lista de pecados.

O que isso tem a ver com a unidade da igreja? Os males listados só nesta passagem, produzem uma influência adversa a nossa vida e valores espirituais enquanto estamos neste mundo. Infelizmente, levamos isso para a igreja.

Conviver com os ímpios com frequência exerce pressões sobre os crentes; aqueles são como uma correnteza contrária – às vezes é como dirigir na contra-mão de uma grande, larga e movimentada avenida (em que pese nós estarmos na mão certa!). Isso nos afeta e nos faz eventualmente viver no mesmo tom nos relacionamentos com os irmãos da igreja local.

O resultado é falta de unidade, quando deveríamos trabalhar para que nossa comunhão fosse uma experiência contrária a que vivemos com os incrédulos. A medida que o mundo piora, a unidade da igreja também fica mais comprometida, precisando os crentes confiar cada vez na graça que une os irmãos. Isso demanda um vida pessoal de oração e luta contra o pecado diária. O resultado é que todos ganhamos com isso – ou perdemos se e quando não o fazemos.

3 – O diabo

Por fim, o que milita contra a unidade da igreja é satanás. Esta é uma advertência dada aos crentes desde o primeiro século:

Sejam sóbrios e vigilantes. O inimigo de vocês, o diabo, anda em derredor, como leão que ruge procurando alguém para devorar. Resistam-lhe, firmes na fé, certos de que os irmãos de vocês, espalhados pelo mundo, estão passando por sofrimentos iguais aos de vocês. E o Deus de toda a graça, que em Cristo os chamou à sua eterna glória, depois de vocês terem sofrido por um pouco, ele mesmo irá aperfeiçoar, firmar, fortificar e fundamentar vocês. A ele seja o domínio para sempre. Amém!

1 Pedro 5.8-11

Literalmente a palavra “diabo” significa “caluniador”, “difamador”. Sua prática no seio da igreja e das famílias cristãs é acusar os crentes, denegrir-lhes a imagem e jogar uns contra os outros.

Sabedores disso, devemos praticar o que texto acima nos diz para fazer: resisti-lo na fé, pois a fé que recebemos de Deus (EF 2.8) é poderosa para vencer todos os desafios!

Todos os crentes devem vigiar quanto a isso, entendo que satanás está nos cercando, procurando brechas e que isso acontece com todos os irmãos – assim, o vigiar começa por você e por mim, buscando discernimento nas situações que aparecem, pode ser só o adversário na sua prática de criar confusão.

Entretanto, o texto também nos disse que passado o sofrimento de resistir ao demônio pela fé, o próprio Deus irá nos aperfeiçoar, firmar, fortificar e fundamentar. Os resultados de vencer o mal nunca são somente para aquele momento. Vale a pena lutar, pois não se trata de simplesmente evitar uma discussão ou mal entendido, mas sim de amadurecer, crescer e firmar-se na fé cristã!

CONCLUSÃO

A igreja precisa se preocupar mais em SER do que em FAZER, a fim de trabalhar sua unidade. Não é errado “fazer”, pelo contrário, devemos ter boas obras por causa da salvação.

Porém, não existe nada pior do que atividades da igreja que terminam em brigas, reclamações, renúncias de cargos, problemas de relacionamentos e afastamento do envolvimento com a obra de Deus (Sim, isso é possível numa igreja, cf. 2CO 12.20).

As atividades da igreja devem ser, inclusive, um bom exercício de planejamento não somente as tarefas, mas de comunhão e unidade, a fim de que o povo santo aprenda a trabalhar junto, cooperando com santidade para o progresso do Reino de Deus.

Mas, para colocar o SER na frente do fazer, e vencer o pecado, o mundo e o diabo, é necessário valorizar muito mais as atividades semanais da igreja como Escola Bíblica, Culto de oração, Culto Dominical, leitura bíblica, comunhão, reuniões de ministérios, de discipulado, pequenos grupos e afins. A partir disso, então, os crentes devem FAZER como consequência do que têm buscado ser: transformados dia a dia na imagem do filho de Deus (RM 8.29).

Evangelização, serviço cristão, assistência aos irmãos, e outras atividades, devem ser um transbordar daquilo que somos.

Se nos colocarmos sob o comando de Cristo, cada crente em submissão a Ele a igreja pode ser unida, pela graça, por meio da fé. Reflita isso pessoalmente e não analise seu irmão. Cada um fazendo a sua parte une a igreja!

Em Cristo,

Pr. Leandro Hüttl

Citações:

¹ https://guiadoestudante.abril.com.br/estudo/a-filosofia-de-zygmunt-bauman-o-pensador-da-modernidade-liquida/ Acesso em: 15/08/2019.

² BRUCE, F. F. Comentário Bíblico NVI: antigo e novo testamento. São Paulo: Vida Nova, 2009.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: